top of page
Abstract

Conexões de saúde

Atualizado: 28 de set. de 2022

Colaboração e conexão, duas palavras que por si só dizem muito sobre a evolução dos negócios hoje em dia. Como disse Howard Schultz , CEO da Starbucks: "Success is best when it's shared".

Em pleno 2020, o fatídico ano do inicio da pandemia , Marc Andreessen, da a16z, um dos maiores fundos de venture capital do mundo, comenta no seu manifesto "It's time to build", que ao construirmos, é quando podemos restabelecer nossos sonhos. As coisas que produzimos em grande quantidade como TVs, computadores, smartphones usualmente melhoram de qualidade e caem de preço. No entanto, áreas como educação e saúde, geralmente aumentam de preço ao longo dos anos. Teremos sempre pessoas fantásticas , mesmo nos sistemas mais deficitários -" nós temos que pegar todos nossos talentos e nossos maiores problemas e construir as respostas para eles" disse Marc Andreessen.


E para construir, podemos pensar logo nessa tríade : em pessoas, colaboração e conexão. Em minha jornada como médico e empreendedor, sempre procurei conhecer o maior número de pessoas e estabelecer uma relação que pudesse proporcionar e gerar valor : o famoso networking. Como diz o livro de Adam Grant, Give and Take: "Se quisermos ter sucesso, precisamos de uma combinação de trabalho duro, talento e sorte. No entanto existe um quarto ingrediente, que é crítico, mas geralmente negligenciado: sucesso depende muito de como abordamos e interagimos com as outras pessoas. Cada vez que interagimos no trabalho temos uma escolha a fazer: nós tentamos reivindicar tanto de valor que podemos ou contribuímos para gerar valor nessa relação sem buscar um retorno em troca? " Adam Grant


Na medicina a colaboração é essencial, e como médico, quando estou no bloco cirúrgico, a colaboração e uma comunicação eficiente entre a equipe toda, cirurgião, anestesiologista e enfermagem, pode ser definidora para termos um ótimo resultado no final da cirurgia , que é a saúde do paciente.


Great things in business are never done by one person, they're done by a team of people.
Steve Jobs

Nas startups, a colaboração e team work , faz de uma ideia inicial , a capacidade de executar e virar um grande negócio. E como podemos colaborar e construir uma melhor rede de relacionamentos de forma global para buscar soluções para problemas na saúde que são vistos em todos os cantos de nosso planeta?


Em primeiro lugar, a saúde é uma questão mundial , que mesmo com as diferenças de cada país em seus sistemas de saúde, tanto no público quanto no privado, com tecnologia e investimento por parte de cada setor, o ser humano , mesmo com suas particularidades, continua sendo o mesmo.


E qual ponto quero chegar?


"Todo negócio bem sucedido é um monopólio", como disse Peter Thiel em "Zero to One":


"Mas o mundo que vivemos é dinâmico: Nós podemos criar novas e melhores coisas. O monopólio criativo entrega ao cliente melhores opções por criar uma categoria inteira de abundância no mundo. Monopólios criativos não são apenas bons para a sociedade; são uma ferramenta poderosa para fazermos melhor"
Peter Thiel

Para crescermos em uma competição saudável e criarmos novas soluções que possam realmente entregar um oceano azul para esse mar de oportunidades que existe na saúde, devemos pensar como um todo, como resolver cada ponto de forma individual e coletivo, e principalmente não ter um olhar apenas local para o problema.


Nessas últimas semanas conversei com diversos empreendedores, especialistas, startups, pesquisadores, e o meu resumo é único: think global.


Das grandes pesquisas de Texas Medical Center, em Houston, com wearables para identificação e acompanhamento de pacientes cardiológicos, do colega Dr. Cristiano Cardoso, do ecossistema pujante de saúde na Florida com Mauricio Orlandi em Tampa e Henry, professor e investidor anjo, em Miami, o novo "Vale do Silício" americano. De Cristiano Russo, empreendedor, comunicador e presidente da Associação Brasileira de Startups da Saúde.


Do colega especialista em AI na radiologia Dr. Fabio Moraes, da Queens University no Canada, do Felipe Freitas, ex-Petrobras e agora engenheiro da empresa " nada mais , nada menos"- Tesla, que também é um investidor anjo e mentor de healthtechs. De Mike Dias, de Porto, Portugal, criador do podcast "Scaleup Valley" que traz empreendedores do mundo todo para debater tópicos sobre business, inovação em diversos setores, mas também um entusiasta de novas tecnologias na saúde , do Fernando Richa, especialista em marketing digital em Los Angeles e que faz parte de uma healthtech de wellness, de Immo Oliver, suíço e empreendedor que fundou uma das maiores healthtechs de interoperabilidade no Brasil, a Carenet.


O que todas essas pessoas tem em comum? Conexões.


Através do networking , das redes, e de uma missão , procuram novas fronteiras, a possibilidade de ter soluções cada vez mais conectadas e globais , em múltiplos setores, mas principalmente , no que tem maior impacto: a saúde.


Esse é o nosso “why”. Nossas conexões podem e devem geral valor. É por isso que estamos lançando a Connext.Health, uma forma de ligar todos esses pontos e trazer soluções para as diversas dores do mercado, mas principalmente, na busca por mais valor aos pacientes.


É hora de construir!

28 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Σχόλια


bottom of page